Pode Encontrar Sabores de Todo o Mundo em Lisboa

Cinco restaurantes que representam o melhor da gastronomia de cinco países. Sem sair de Lisboa. Fotos: © D.R.

Se alguém ainda tivesse dúvidas que Lisboa é uma capital que tem tanto para dar de seu como de receber o que vem de fora, bastava olhar para a forma generosa e interessada como recebemos todos os que nos querem visitar – ou que se apaixonam de tal maneira que por cá ficam. Podíamos referir inúmeros aspetos mas a gastronomia é sempre um bom indicador. Elegemos cinco restaurantes que provam exatamente o que estamos a tentar dizer, provando, com sabores, que o paladar tem fronteiras. E que o bom mesmo é atravessá-las.

A viagem começa na América do Sul, na Argentina. Situado numa zona da cidade mais residencial (Lumiar), o Volver é uma surpresa inesperada. Um espaço amplo e acolhedor, que nos acolhe com um bar onde, para começar, é obrigatório experimentar um dos cocktails. Recomendamos o Antes Morir que Olvidarte (como não, com este nome!!!) ou os da casa, Volver Mule ou Mojito Volver. Passe à mesa e prepare-se para… carne! Óbvio. Comece com um Surf & Turf e prossiga com um chuletón de Ávila ou de buey para partilhar. A qualidade da carne é o grande segredo e a prova é que não apetece parar… Se ainda conseguir, peça uma Torta Rogel com bombom do Alasca (tem dulce de leche claro!) para a sobremesa.

Em passo rápido até à Bélgica. O conceito Moules&CO já é bem conhecido – neste momento existem três espaços no país (Lisboa, Cascais e Porto) – mas é sempre bom voltar para experimentar as moules (mexilhões) com um molho novo – como o de cerveja, no Moules&Beer, em Campo de Ourique – ou repetir aqueles que são sucessos garantidos (o thai é um dos nossos favoritos). Além das moules, pode também pedir agora lapas e cracas para entrada (o mar português a marcar presença). Tudo acompanhado por uma das excelentes cervejas artesanais disponíveis.

De seguida, ficamos por Portugal. Situado em pleno Rossio – hoje parte do My Story Hotel Rossio –, o Café Portugal chegou a ser um dos espaços favoritos da elite lisboeta. Acabou por fechar mas recentemente recuperado, mantendo viva as histórias da cidade que por ali foram passando ao longo dos anos. Numa decoração que lembra as antigas mercearias portuguesas e onde predominam as madeiras trabalhadas e os mármores, experimente o fantástico polvo assado ou o magret de pato e termine com um gelado sobre Pão de ló. E está feita uma refeição que é também viagem no tempo.

E chegamos ao Líbano. Com apenas alguns meses de vida, o Muito Bey, é já referência no Cais do Sodré. Num ambiente descontraído e internacional – mesas coloridas, candeeiros super originais, tons de azul mal nas paredes – descobrem-se os sabores da cozinha libanesa e percebe-se que afinal, Lisboa e Beirute não estão assim tão distantes. A começar pelo prazer que ambos os países têm em partilhar. Aquilo que para nós são petiscos, são mezze para eles. Sem querer desvendar muito desta viagem de sabores, não podemos deixar de referir uma espécie de pão/pizza com queijo, temperado com especiarias, que é, só por si, mais que motivo para ir até ao Muito Bey. Este espaço, como tantos outros que têm surgido na cidade (na área da restauração ou não) é fruto de uma paixão por Lisboa que se traduziu num desejo em ficar. Em boa hora.

No caso do chef Justin Jennings, natural da Austrália, o amor começou por ser por uma portuguesa. Instalado em Lisboa, o casal abriu recentemente aquele que é o primeiro e único restaurante australiano do país, o DownUnder. Apesar de ter alternativas mais internacionais – a pavlova é excelente, não demasiado doce e uma excelente sugestão para acabar a refeição – e usar muitos produtos locais, não há como perder a oportunidade de experimentar um carpaccio de canguru ou crocodilo crocante (este último é obrigatório!). Além do ambiente não ser temático – a decoração não remete para a Austrália – sentimos que estamos bem longe, especialmente se optarmos por acompanhar a refeição com um vinho também australiano o que, aliás, recomendamos vivamente.