Como é Que as Meias Se Tornaram na Maior Tendência de Acessórios

A prova de que, no mundo da moda, tudo pode mudar. Por: Vítor Rodrigues Machado -- Imagem: © Imaxtree.

Durante anos considerámo-nas o presente do inferno (oferecido, na maior parte dos casos pelas tias ou avós) contudo, este ano, quem for a feliz contemplada com um belíssimo par de meias, tem motivos para se alegrar. Afinal, o acessório, que até agora considerávamos secundário, ganhou lugar de destaque esta estação fria tornando-se no remate final de qualquer look.

Mas como é que tudo aconteceu? Fará tudo isto parte de um plano (muito bem-sucedido), criado pelas avós do mundo inteiro, para nos obrigar a usar os pares que ao longo dos anos fomos amontoando? Não é o caso. Mas se fosse, seria um plano de génio.

A primeira introdução foi feita em 2016, quando marcas como a 3.1 Phillip Lim ou Tommy Hilfiger as apresentaram nas suas coleções de outono-inverno para 2016/17, de forma muito subtil, mostrando-as timidamente sob as botas.

Contudo, a derradeira consolidação deste acessório aconteceu recentemente, mais propriamente, durante o passado mês de março com as apresentações das coleções para o outono-inverno 2017/18. Sem qualquer tipo de receio, marcas como a Gucci ou Nº21 trouxeram para a passerelle looks que só pareciam completos graças às meias, realçadas com estampados, fios metalizados, ou cores fortes.

O sucesso foi imediato, e rapidamente se refletiu nos pés de  fashion influencers de todo o mundo, que as combinaram com todo o tipo de calçado.

Daí até terem entrado nas estantes e prateleiras de todas as grandes empresas foi um pequeno passo. Como refere a Calzedonia «desde o mês de setembro que a procura [de meias] aumentou bastante. As favoritas dos nossos clientes são todas as que têm laços, pérolas e glitter».

A tendência consolidou-se de tal forma que já chegou às coleções para a primavera-verão 2018 de marcas como Prada, ou MSGM, que fizeram ainda nascer calçado em trompe-l’oeil que dá a ideia de que o cano se trata, na verdade, de uma meia.

Atualmente, são já várias as celebridades que se renderam a este acessório. Kendall Jenner foi uma das primeiras a fazê-lo, quando surgiu na passadeira vermelha de Cannes, com umas que combinou com umas sandálias, e mais recentemente, Rihanna, mostrou no Instagram como conjugar mules com um par de meias Gucci de $ 1340 (sensivelmente € 1142).

 

GanG

Uma publicação partilhada por badgalriri (@badgalriri) a

 

As Meias ao Longo do Tempo

Contudo, ao longo da história da moda, a relação entre a indústria e as meias nem sempre foi a melhor. Mesmo que a estas lhes fosse reconhecido valor funcional, que mantiveram desde que foram introduzidas como peça de uso diário, algures durante a idade medieval, sempre tiveram dificuldade em serem valorizadas esteticamente.

Ainda assim, existiram algumas exceções a esta regra. A primeira foi na década de 40 com o surgimento do nylon, que revolucionou a indústria com o aparecimento das collants. Depois na década de 60, Mary Quanto voltou a fazer das meias tendência ao apresentá-las repletas de padrões com polkadots ou riscas, a complementar as suas minissaias. E 20 anos mais tarde, na década de 80, estas transformaram-se e deram lugar às leggings. Até que na primeira década do século XXI reapareceram sob a forma de um modelo às riscas que acabava acima do joelho, nas pernas de celebridades como Paris Hilton, Gwen Steffani, Avril Lavinge, ou grupos de música como as Pussycat Doll’s.