Gucci Vai Deixar de Usar Pelo Animal Nas Coleções

Seguindo o exemplo de marcas como Stella McCartney, Hugo Boss ou Giorgio Armani. Por: Joana Moreira -- Imagens: © Imaxtree

A partir de 2018, Alessandro Michele diz «não» ao pelo verdadeiro para as suas criações. O anúncio foi feito pelo CEO da marca, Marco Bizarri, durante a conferência 2017 Kering Talk, na London College of Fashion, em Londres, avança a ELLE britânica.

«Ser socialmente responsável é um dos valores principais da Gucci, e vamos continuar a lutar por fazer o melhor para o ambiente e para aos animais», disse. «Com a ajuda da Human Society International e da LAV (Lega Anti Vivisezione, em português, Liga Anti-Vivissecação) a Gucci congratula-se em tomar este passo e espera que este inspire inovação e desperte consciências, para mudar a indústria de moda de luxo para melhor».

E se é a responsabilidade social o motor de arranque, são os hábitos de consumo o combustível que acelera a viagem para um futuro mais animal-friendly. O desejo por pelo verdadeiro, «já está um pouco ultrapassado», admite.

Já em junho o Net-a-Porter anunciou que ia deixar de vender produtos feitos com pelo de animal. Desta vez é a Gucci a juntar-se ao movimento. A partir de agora, só entra pelo sintético nas lojas da marca.