Olivia Palermo Fala Sobre Streetstyle e Segredos de Styling

A rainha incontestável do streetstyle discute a sua relação com a Moda e o fenómeno de ser uma it-girl. Imagens: Mario Sierra

Olivia Palermo começa a conversa com uma declaração de intenções: «Todos nós devíamos fazer um esforço todas as manhãs e dedicar uns minutos a pensar naquilo que vamos vestir para nos sentirmos bem! Não há melhor forma de começar o dia». Para esta mulher nascida em Connecticut, nos Estados Unidos, há 31 anos, a moda, além de ser o seu trabalho e a sua paixão, é também terapêutica. E o que diz, pratica-o, dando o exemplo. A prova que faz o que advoga é vê-la chegar à nossa sessão fotográfica, com um jet-lag considerável depois de ter aterrado na noite anterior em Madrid, vinda diretamente de Nova Iorque, sem rasto dos tradicionais efeitos secundários que assolam o comum dos mortais. Entrou no estúdio a distribuir sorrisos e disse um grande «bom dia» numa voz limpa. O cabelo parecia saído de um anúncio e vestia uma minissaia em pele e uns ugly shoes que lhe cavam geniais.

Se o prémio Celebridade Sempre Perfeita existisse e pudesse ser entregue a alguém seria seguramente a Olivia Palermo. E por unanimidade. Por agora detém o prémio Ícone de Estilo entregue, em 2016, pela vizinha ELLE Espanha. «Foi uma honra que na ELLE tenham decidido que o mereço. Mas são vocês que têm de me dizer o porquê, eu não consigo», diz com uma rara timidez. Pois bem, aqui vai um motivo: os mais de quatro milhões e meio de seguidores que acumula no Instagram e os 430.000 do Twitter que não perdem nenhum dos seus mais que perfeitos looks, nem tão pouco os eventos que preenchem o seu trepidante estilo de vida. Em 2012 esta clara “palermomania” levou-a a criar o seu próprio site (olivia-palermo.com) onde ela mesma partilha as tendências e as suas peças preferidas de cada estação. «Tem corrido super bem e adoro fazê-lo. Tenho uma equipa extraordinária com que trabalho diariamente para descobrir novas marcas, dar bons conselhos de moda, beleza e lifestyle e para partilhar as minhas experiências,» explica.

Mas há um motivo, acima de todos os outros: a sua omnipresença no mundo digital. Afinal não há blogue, site especializado ou revista que não fale dela como referência de estilo. E assim tem sido, regularmente, ao longo dos últimos anos.

“Sentir paixão pelo que se faz é fundamental
e eu desfruto imenso do meu trabalho”

Num mundo que se alimenta de novidade e que tende a substituir os seus ícones com relativa rapidez, Olivia Palermo tem permanecido incombustível. «A chave do sucesso é sentir paixão pelo se faz. Eu desfruto imenso com o meu trabalho e a criar novos looks. Na última década a indústria da moda mudou imenso e hoje o público tem muito mais acesso a ela, porque toda a rede que a rodeia alcançou uma relevância extraordinária. Espero continuar a dedicar-me a ela durante muito mais tempo!».

Em plena apoteose do fenómeno das it-girls, a Olivia não a incomoda que a definam como uma. «É agradável ser uma fonte de inspiração» diz. Mas a verdade é que ela é muito mais que a maioria. Em tempo recorde a rainha do streetstyle converteu-se numa marca extremamente rentável. Além de coordenar o seu site, colabora com inúmeras marcas e até já se atreveu a criar algumas coleções cápsula. «Não me limito a ceder o meu nome, trabalho lado a lado com os designers,» a rma com orgulho. E a sua lista de parceiros é interminável: Tommy Hilfiger, Max & Co., Stuart Weitzman, Mango, Rochas, La Mer, Banana Republic…

Atraído pela sua «força extraordinária,» há um par de anos Edgardo Osorio, o homem por trás da marca de sapatos Aquazzura não hesitou em escolhê-la para desenhar com ele uma linha de seis modelos (Aquazzura x Olivia Palermo). Segundo ele, ser ela e não uma atriz na passadeira vermelha a usar as suas criações na rua «dispara o desejo de outras mulheres». E Osorio não podia estar mais certo. Afinal o êxito do fenómeno do streetstyle baseia-se em mulheres que pareçam estar mais próximas do comum dos mortais do que uma estrela de Hollywood. E o sentido de estilo de Palermo não deixa ninguém indiferente.

Uma das coisas mais invejáveis nela é a sua capacidade de combinar peças. Quer seja conjugando marcas de luxo com etiquetas fast-fashion no mesmo look, «porque quando uma peça é maravilhosa não interessa quanto custa,» diz. Ou a unir, num mesmo coordenado, peças que pareciam destinadas a serem ini- migas: padrão animal e ores; peles com transparência, ela atre- ve-se e funciona. «O segredo está em combinar texturas, cores, estilos e volumes… É a única forma de criar looks únicos,» revela. Porque, no fundo, Palermo é clássica, mas cria sempre margem para incorporar as tendências e nunca, mas nunca, é previsível.

“O segredo está em combinar texturas, cores
e volumes… É a única forma de criar looks únicos”

Desde pequena que o seu objetivo era claro: conquistar o mundo da moda. Tudo por influência da sua mãe, «uma decoradora com um gosto apurado para combinar tecidos» com quem costumava percorrer mercados de antiguidades em busca de jóias e peças de bijuteria, que agora coleciona. E mais tarde, conhecer o Johannes (Huebel, seu marido) em 2008 ajudou-a a consegui-lo. Juntos formam uma dupla que percorre o mundo a dar lições de estilo. Vivem juntos em Brooklyn, Nova Iorque, com o cão de ambos – o também já famoso Mr. Butler. Partilham os sábados no sofá a ver Homeland e House of Cards e os domingos dedicam-nos ao desporto. Mas, para além de Brooklyn, é possível encontrá-los nas melhores pistas de esqui do mundo, nas festas mais in de Paris ou nas praias dos Hamptons. E quando estão separados, por motivos pro ssionais, conversam sempre à noite por telefone.

Não só parecem um casal saído de um filme romântico, como continuam tão apaixonados como no primeiro dia. «Gostamos de trabalhar juntos, poque nos entendemos super bem. O Johannes, além de modelo, é fotógrafo por isso em algumas das minhas campanhas ou para as minhas redes sociais é ele quem me fotografa. Entende imenso de moda e faz-me sugestões, mas sou sempre eu que decido o que visto», diz assertiva mas divertida.

Com o nosso tempo a chegar ao fim, não podíamos deixá-la ir-se embora sem lhe pedir um conselho infalível. «Conhecer muito bem o seu corpo e ter sempre em conta as suas proporções e as das peças de forma a que a favoreçam. Mas, sobretudo, sentir-se confortável com o que tem vestido.» Palavra de Olivia.

Este artigo foi originalmente publicado na ELLE de junho de 2017.